AUTOAPRENDIZADO – Eu construo a estrada que irei caminhar

Atualizado: Set 8

"Todos os indivíduos têm potencial para ser criativos, mas só serão se quiserem"

Howard Gardner


Ha alguns anos, poucos tinham acesso ao conhecimento e somente alguns poucos chegavam a condição de "doutor", o que era sinal de sabedoria e respeito. Hoje em dia, tudo está disponível em tempo real e democrático, com verdades e conceitos mudando a todo momento. Neste cenário, o ensino formal passa a ter outro papel já que não detém mais a exclusividade na formação das pessoas e cada uma destas pessoas tem ainda mais responsabilidade pelo que sabe. Daí o autodidatismo ou autoaprendizado ganha força, apesar de muita gente ainda julgar o e-learning ou outros modelos menos nobres que os modelos tradicionais de sala de aula.



O ensino formal geralmente direciona o conteúdo, o ritmo e a metodologia à média dos alunos, quando cada um tem a sua forma e ritmo de aprendizado, além de interesses distintos, o que o leva a querer mais sobre algumas coisas e de desinteressar por outras. Isso por si só nos deveria fazer olhar para outros modelos, no mínimo como forma de complementar o tradicional.


Acredito muito da força e necessidade do ensino formal e do papel dos professores na nossa formação e muito do que sou se deve ao que absorvi em contato com grandes professores e trocando experiências com colegas na mesma posição de aprendizado que eu, vivenciando problemas e reflexões parecidas.


Em um ambiente com tanta informação disponível, é importante um “curador” que ajuda a selecionar e organizar o conhecimento, poupando tempo e energia e trazendo resultados mais eficientes. O professor, entendendo este papel, é a pessoa ideal para tal. E além disso, sua atuação para conduzir a cadência do curso, disciplina o ritmo e cuida para que o aprendizado aconteça no tempo planejado, embora a qualidade e profundidade deste aprendizado dependa do aluno.



A escola sempre existirá e terá papel fundamental na formação das pessoas e da sociedade, embora esteja bem claro que seu formato e papel tende a mudar bastante. Sem contar que algumas profissões e funções ainda exigem a formalização deste aprendizado (por exemplo a medicina, direito e engenharia que são regulados por lei) ou estes diplomas simplesmente ainda abrem algumas portas e não tê-los ainda fecham algumas outras (na verdade a formação muitas vezes não influencia em nada na função que será exercida, mas este "filtro" facilita muito a vida de recrutadores que precisam fazer uma triagem nos currículos que recebe).


Mas então se já temos tantas escolas boas e muitas vantagens em estudar nelas, porque investir em autoaprendizado? Posso listar algumas vantagens disso, na minha visão:


  • Poupa esforço já que não preciso ficar anos estudando um assunto que grande parte do conteúdo recebido não será relevante. Posso focar naquilo que ainda não sei e que me fará a diferença.

  • É a melhor forma de buscar o valorizado conhecimento em T (onde vc conhece um pouco sobre muitos assuntos e tem muita profundidade sobre um tema específico), que enterra por vez aquela eterna "disputa" entre especialistas e generalistas, pois você pode ser os dois ao mesmo tempo.

  • Flexibilidade de horários e conteúdos - Você cria sua agenda e quais os temas que irá se aprofundar. E dentro do planejado, pode ajustar quando descobrir algo novo na jornada de aprendizado que queria saber mais.

  • Melhor custo benefício - Você consegue muita coisa boa de graça na internet. Um livro custa muito pouco ao se comparar com um curso presencial. E socializar com pessoas que podem te ensinar pela internet ou pessoalmente custa muito menos que pagar pra ter acesso à referencias via universidade ou eventos maiores.

  • Manter-se atualizado – Qualquer curso formal que fizer terá alguns dos seus conceitos desatualizados (alguns durante e outros logo depois que terminá-lo), o que exige que você permaneça acompanhando as evoluções do assunto para manter-se atual e não “perder seu curso”.

  • Usa muito a tecnologia para potencializar o processo (games, vídeos, interatividade, testes online, plataformas móveis, redes sociais, etc).


Além disso tudo, o fato é nós somos os únicos responsáveis por aquilo que somos e escolhemos para nossa vida, e não dá para terceirizar a responsabilidade disso. Daí a importância de, fazendo um curso formal ou não, montar um programa de desenvolvimento pessoal incluindo nele um plano de aprendizado. Então, listei abaixo 12 dicas importantes para ter mais sucesso neste plano:


1 - Fortaleça as conexões com as pessoas. Converse com gente que entenda daquilo que está procurando saber, conte para outras o que está aprendendo e tenha contatos de quem possa ajudar a ver e conhecer mais coisas e peça a elas pra te apresentarem mais gente. Isso te envolve realmente naquilo que escolheu saber e cria a real vivencia do conteúdo. Sem contar que quando você envolve outras pessoas nos seus projetos pessoais, eles tendem a caminhar com mais força.


2 - Descubra qual é a sua melhor forma de aprender e invista em experiências que te propiciem esta melhor performance. Existem pessoas que gostam de ouvir outras ensinar, outras que preferem pesquisar sobre aqueles assuntos em materiais escritos, outras preferem experimentar e colocar a mão na massa e outras preferem se organizar melhor e seguir o passo a passo recomendado para aquele tema.


3 - Leia muito. Independente de sua melhor forma de aprender, ela passará por ler aquilo que já escreveram sobre o assunto e isso exige disciplina e a criação de hábito. Se não lê nada, comece com um artigo por dia e vá aumentando aos poucos até isso ser natural e prazeroso. Quanto mais você lê sobre um assunto, mais seu repertório sobre ele será ampliado e a leitura será mais fácil e mais rápida.

4 - Use a tecnologia a seu favor. Toda a informação está disponível no formato que escolher. Além de livros digitais, artigos do mundo todo, vídeos incríveis (vasculhe o Youtube, Khan Academy e o TED que certamente encontrará muito material sobre qualquer tema), muitos cursos abertos (muitos grátis e muitos pagos) disponibilizam também as informações já organizadas.


5 - Estes cursos abertos que vem preocupando muito as escolas tradicionais crescem exponencialmente e são chamados de MOOC (Curso Online Aberto e Massivo, do inglês Massive Open Online Course) Eles oferecem alta variedade e qualidade, e até algumas escolas tradicionais já aderiram ao modelo. Algumas delas que vão desde o ensino básico ao altamente especializado: Geekie, Cousera, Veduka, Edx, Ududacity. Universidades renomadas como FGV e Harvard também tem cursos abertos online, inclusive gratuitos.


6 - Saiba inglês. Se não sabe, use este artigo para te motivar a montar um plano para começar a aprender. Se você realmente quer ser referência em um assunto e estará atualizado com ele, não dá pra esperar as novidades serem traduzidas. A língua universal hoje é o inglês e qualquer tendência, mesmo que conduzida por um brasileiro, estará disponível primeiro nesta língua. Legendas do Youtube e Google Translator quebram o galho, mas não resolvem definitivamente.


7 - Use técnicas de produtividade para gestão de seu tempo, energia e atenção. GTD, Triade do tempo, Neuroprodutividade, Pomodoro e outros são muito eficientes. Conheça algum deles que se adapte ao seu estilo! O importante é ter planejamento claro, metas alcançáveis e mensuráveis, disciplina de execução e gestão do seu próprio progresso.


8 - Tenha um coach ou um mentor. Um coach lhe ajudará encontrar as respostas em si mesmo, já um mentor lhe ajudará dando dicas a partir de sua própria experiência.


9 - Descanse. Não adianta virar a madrugada estudando. Sem dormir o suficiente, dar pausas estratégicas no dia e se alimentar bem, sua energia e atenção vão para o espaço e não tem como evoluir.




10 - Aproveite o tempo livre ou ocupado por tarefas repetitivas - Leia no ônibus ao ao invés de ouvir as músicas mais tocadas da rádio, ouça um podcast enquanto caminha ou lava os pratos ao invés de pensar na morte da bezerra, assista um TED ao invés da novela, leia um artigo na fila do banco ao invés de jogar candy crush... Estas são algumas escolhas que eu faço que podem inspirar as suas.


11 - Faça do aprendizado algo prazeroso. O faça em lugares confortáveis (espaços abertos por exemplo), e se premie pelas suas evoluções. Se presenteie com um almoço especial, por exemplo, quando conseguir fazer algo que não sabia.


12 - Não desanime depois de um dia desmotivado que o aprendizado não rende. Dias assim acontecerão e vão passar.


Com estas dicas, é bem provável que consiga um plano realmente eficiente de aprendizado. Claro que eles exigem alguns cuidados com os maiores inimigos disso: a indisciplina, o uso de fontes não confiáveis que podem gerar retrabalho e principalmente a perda de foco. Elas estarão por perto o tempo e exigem muito cuidado.


Isso pode ser iniciado hoje ao invés de ficar aí esperando sobrar tempo ou dinheiro para começar aquele curso que você queria e que você acredita que irá dar um upgrade em sua carreira. Mais do que títulos, as empresas buscam hoje pessoas protagonistas, com perfil empreendedor e com senso de realização - o autodidata desenvolve tudo isso além de aprender o conteúdo que buscava.

A ideia deste artigo não é dizer que o autoaprendizado é melhor que o ensino formal, pois eu mesmo já fiz muitos cursos formais e espero fazer outros em breve. A ideia é não parar enquanto não pode fazer o formal, complementar quando puder fazê-lo e sempre (sempre mesmo), aprender coisas novas, chegando em um ponto que isso seja um hábito e você diariamente irá criar pra si mesmo mini-cursos just-in-time. Isso é pra todos!


Encontre o seu jeito de fazer...


Abraços


“Genialidade é a habilidade de chegar de forma independente ao entendimento de conceitos que normalmente deveriam ser ensinados por outra pessoa”

Immanuel Kant


  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Blogger Icon
  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey YouTube Icon